Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

É uma Vida para Dois

Livros para folhear, filmes para ver, sabores para provar, destinos para descobrir. Gostamos de experimentar tudo o que há de novo aqui e acolá! Queremos a vida bem passada e bem servida, se faz favor!

The Revenant - O Renascido (2015)

Se Babel, 21 Gramas, Birdman e Amores Perros já tinham feito com que Alejandro González Iñárritu se tornasse um dos meus realizadores preferidos, então agora não deixou qualquer hipótese à concorrência. 

 

Baseada em factos verídicos, a história tem tudo para dar certo. Muito resumidamente e sem spoilers, o filme conta a história do Caçador de Peles Hugh Glass que, em 1820, foi atacado por um urso durante uma expedição. Com ferimentos graves e à beira da morte, acaba por ser abandonado pelos seus companheiros.

 

The Revenant é um filme sobre a sobrevivência, vingança e também...amor. Emocionalmente e visualmente violento, The Revenant não é um filme para estômagos fracos e corações sensíveis. O realismo está presente do princípio ao fim, fazendo com que o espectador não seja poupado a nada que não queira ver. Não é um filme para quem pretende descomprimir, para quem quer aliviar o stress do dia-a-dia, nem para aqueles que pretendem um serão agradável numa sala de cinema. É um filme para quem quer apreciar a verdadeira essência do cinema e tem noção de que vai deparar-se com sentimentos e emoções desagradáveis.

 

A sequência das cenas, fotografia, efeitos visuais está absolutamente extraordinária, bem como as representações de todos actores, nomeadamente Leonardo DiCaprio e Tom Hardy. É este ano que Leonardo Dicaprio pode concretizar o discurso que prepara há vários anos.

 

Com 12 nomeações para os Óscares, The Revenant merece cada uma delas. Este ano, não há concorrência à altura. Meu Deus, que obra-prima, que obra-prima. 

 

Boas sessões de cinema,

Mrs.

Big Eyes (2014)

Quem diria que Tim Burton conseguiria realizar um filme cheio de cores vibrantes? Ao contrário do estilo habitual do realizador, cuja fotografia dos seus filmes destaca os tons escuros e pálidos, Big Eyes é um filme muito diferente do seu género habitual não só por destacar a luz e a cor, mas também pelo argumento, baseado numa história verídica. O filme conta a história verdadeira de uma das mais épicas fraudes da história da arte. O pintor Walter Keane (Christoph Waltz) alcançou um sucesso inimaginável com pinturas de crianças com olhos grandes, que fascinaram o mundo nos anos 60. Acontece que as pinturas não eram criadas por Walter mas pela sua mulher Margaret (Amy Adams) que viveu à sombra do marido durante vários anos, numa mentira que acabou por ser revelada e levada a tribunal.

O desenrolar do filme está muito interessante, mostrando a evolução ascendente de Margaret enquanto artista e a evolução descendente de Walter enquanto pessoa, até ao ponto de ruptura. O filme retrata como alguns seres-humanos são capazes transpor todos os limites para alcançar os seus objectivos, mesmo que para isso vivam afogados em mentiras e à custa do trabalho dos outros.

Actualmente, Margaret tem 87 anos e ainda pinta. Há quem as ache assustadoras, mas eu adoro as suas pinturas.

 

Conheciam as pinturas dos olhos grandes? Já viram o filme?

 

Boas sessões de cinema!

Mrs.

Filmes divertidos para as Chuvas de Abril

Muitas vezes encontrar um filme divertido que seja bom é tão difícil como pôr a Kristen Stewart a rir ou o José Sócrates a dizer a verdade. Sou pouco adepta do "humor parvinho" e nonsense, mas gostos não se discutem. Ficam aqui então as minhas sugestões de filmes que fazem dar umas boas gargalhadas, mas que também fazem reflectir, concluir uma moral ou despertar a imaginação.

Nada melhor do que escolher um deles, pegar nas pipocas e passar os serões de chuva que se avizinham a ver um deles:

 

Goodbye Lenine (2003)

"Outubro de 1989 era uma má altura para ficar em coma, para quem vivesse na Alemanha de Leste – e é o que acontece precisamente à mãe de Alex, uma activista do progresso social a Alemanha socialista. Alex tem um grande problema em mãos, quando a sua mãe acorda do coma, 8 meses depois. O seu coração está tão fraco que o menor choque pode levá-la à morte. E o que poderia ser mais chocante do que a queda do Muro de Berlim e o triunfo do capitalismo no seu amado país? Para salvar a sua mãe, Alex transforma o apartamento onde vivem numa ilha do passado, num museu do socialismo, onde a sua mãe é amavelmente levada a crer que nada mudou. O que começa por ser uma pequena mentira, começa a fugir ao controlo de Alex" http://cinema.sapo.pt/

Este filme está para além de espectacular, proporcionando tanto momentos de boas gargalhadas como periodos mais introspectivos. A banda sonora é das melhores, composta por Yan Tierssen.

 

Little Miss Sunshine (2006)

"Olive é uma miúda de 7 anos que tem um sonho: vencer o concurso de beleza “Little Miss Sunshine”. A sua família deseja também que esse sonho se concretize, mas como estão sempre ocupados com os seus próprios sofismas, neuroses e problemas, mal têm tempo para pensar nisso. Richard, o pai de Olive, é um fracasso como orador, continuamente preocupado com a sua “filosofia barata” A mãe, Sheryl, é a favor da verdade acima de tudo. O seu tio Frank, um professor de filosofia gay, tentou suicidar-se depois de um romance fracassado com um dos seus alunos. O seu irmão Dwayne, um adolescente seguidor fanático de Nietzsche, fez votos de silêncio o que lhe permite isolar-se da família que o atormenta. E o avô de Olive, viciado em heroína, é o único que a entusiasma a seguir o seu sonho. Acabam todos por se juntar numa carrinha amarela para levar Olive a participar no concurso" http://cinema.sapo.pt/

As relações familiares nem sempre são fáceis, mas quando todos os membros se focam num propósito comum, os problemas individuais ficam mais fáceis de ultrapassar. As aventuras de uma família pouco tradicional na demanda de vida da filha mais nova. Com desempenhos fantásticos de actores de todas as idades e diálogos cheios de humor, já vi este filme várias vezes e não me canso.

 

A Invenção da Mentira (2009)

"Numa realidade alternativa onde a mentira não existe, toda a gente, mesmo os políticos e publicitários, diz a verdade (e nada mais do que a verdade). Mas quando um falhado chamado Mark descobre a mentira, percebe que a desonestidade tem as suas recompensas. Num mundo onde cada palavra é tida como uma verdade absoluta, Mark consegue abrir caminho até à fama e fortuna pela mentira. Mas depressa as coisas saem fora de controlo, quando as pessoas começam a tratar as mentiras de Mark como evangelho. Ele tem o mundo inteiro preso pelas suas palavras, mas mesmo assim conseguirá conquistar o coração da mulher que ama?" http://cinema.sapo.pt/

 

Para além de proporcionar gargalhadas do princípio ao fim, este filme imagina de forma genial um mundo alternativo onde ninguém consegue conceber a existência de nada que não seja verdade. Os diálogos são hilariantes de tão honestos e faz-nos pensar como seria a nossa vida se as pessoas comunicassem como no filme.

 

Meia-Noite em Paris (2011)

"Gil (Owen Wilson) sempre idolatrou os grandes escritores americanos e quis ser como eles. A vida levou-o a trabalhar como roteirista em Hollywood, o que por um lado fez com que fosse muito bem remunerado, por outro rendeu-lhe uma boa dose de frustração. Agora ele está prestes a ir para Paris ao lado de sua noiva, Inez (Rachel McAdams), e dos pais dela, John (Kurt Fuller) e Helen (Mimi Kennedy). John irá à cidade para fechar um grande negócio e não se preocupa nem um pouco em esconder sua desaprovação pelo futuro genro. Estar em Paris faz com que Gil volte a se questionar sobre os rumos de sua vida, desencadeando o velho sonho de se tornar um escritor reconhecido." https://coolturalblog.wordpress.com/

 

É um dos meus filmes preferidos de Woody Allen, conseguindo aliar a comédia à fantasia criativa que ocorre quando tocam as badaladas da meia-noite nas ruas de Paris. Marcado por diálogos divertidos, é também uma viagem pelos anos 20 e pelas épocas mais marcantes da literatura mundial. Banda sonora e fotografia espectaculares.

 

Já conheciam algum destes filmes?

Boas sessões de cinema!

 

Mrs.

Destino do Dia - Sci-Fi Dine-In Theater Restaurant (EUA)

Sci-Fi Dine-In Theater Restaurant é um restaurante temático situado no Walt Disney World - Hollywood Studios, em Orlando (EUA), que tenta imitar os drive-ins americanos onde as pessoas iam de carro assistir aos filmes. As mesas do restaurante são em formato de carros antigos, onde as pessoas tomam a sua refeição enquanto assistem a filmes de ficção científica.

 

 

TOP actores

Desafiámo-nos um ao outro a selecionar os nossos actores preferidos do cinema, 4 homens e 4 mulheres.

Eis as nossas escolhas:

 

As escolhas DELEpasta sem nome 5-001.jpgpasta sem nome 55-001.jpg

 

  

As escolhas DELApasta sem nome 53-001.jpg

pasta sem nome 54-001.jpg

O meu marido só escolheu brasas jovens, enquanto que os meus actores masculinos preferidos têm de 50 anos para cima. Acho que hoje ele vai dormir no sofá...

 

Quais os vossos actores preferidos? Alguma das nossas escolhas coincide com as vossas?

 

Mrs.

Cinema - Sugestões

A minha relação com o cinema começou muito cedo com a Disney. Os meus pais compravam-me todas as cassetes VHS à medida que iam saindo, desde a Pequena Sereia ao Toy Story. Chegava a ver a Pocahontas 4 vezes por dia, até levar os meus pais à loucura, até vomitarem pelos olhos o John Smith a cantar e a deslizar nos montes. A minha Tia levava-me ao cinema Quarteto a cada estreia, onde não podia faltar um pacotinho de Malteasers a acompanhar.  

Por volta dos 12 anos, passei para filmes como o  "Música no Coração", "Querida, encolhi os miúdos", "Flubber" e "Papá para Sempre". Foi então nas férias da Páscoa dos meus 16 anos, que o meu irmão, mais velho do que eu, disse que já estava na idade de parar de ver filmes de princesas, para começar a ver filmes a sério.  Entregou-me uma pasta com DVD's para eu começar a aprender alguma coisa sobre cinema. Nessas férias mal saí de casa, percorrendo desde os clássicos do Hitchcock, a Tim Burton e a Woody Allen, começando a perceber o que gostava e o que não gostava, a distinguir os bons dos medíocres, e a escolhe-los consoante o estado de espírito. Essa fase pronlongou-se até hoje, pelo que continuo a ser uma consumidora assídua de filmes. O meu marido é tão cinéfilo quanto eu, mas eu sou mais selectiva e exigente nos filmes do que ele. Ele vê praticamente de tudo, desde o Padrinho à Saga do Crepúsculo. Ele diz que "um filme consegue ser tão mau que se torna bom" (???!!!). Não consigo compreender, mas pronto, é ele que cozinha em casa por isso se quero continuar a ser alimentada não vou argumentar.

 

De vez em quando, iremos fazer 4 sugestões de filmes que gostamos. Seguem-se as primeiras sugestões, de alguns dos meus filmes preferidos:

pasta sem nome 52.jpg

Já viram estes filmes?

 

Algum deles também está entre os vossos preferidos?

 

Boa sessão de cinema!

 

Mrs. 

Filmes - Predestinação (2014)

"Um agente temporal (Ethan Hawke) encara sua última missão após anos de viagens no tempo caçando criminosos e executando a lei. O desafio final será finalmente capturar seu inimigo mais desafiador, o homem que há muito o intriga e ludibria."

 

Geralmente as pessoas costumam ter opiniões díspares sobre filmes de ficção científica. Ou adoram ou detestam. Eu sou das que adora, deste que a história seja credível, todos os pormenores ficcionais façam sentido dentro do argumento inventado, e não metam monstros com efeitos especiais tão maus que me façam bocejar de tédio. 

 

Os filmes sobre viagens no tempo não são novidade, e se pensarmos nas histórias em que polícias viajam no tempo para impedir crimes, constatamos que também não são, ao lembrar de Minority Report e de Looper. Não são novidade mas eu adoro, desde que cumpram os requisitos que referi acima.

 

Predestinação consegue ser surpreender graças aos Paradoxos que vão surgindo ao longo da história, que gira em torno de Jane, uma rapariga que abandonada à nascença e que cresceu num orfanato. Um homem misterioso aparece na sua vida e desaparece antes de descobrir que fica grávida. Entretanto os acontecimentos vão começando a acontecer e a surpreender cada vez mais até que vocês vão estar a dizer em voz alta: "Não acredito!!", "Impressionante!"

 

A partir de meio do filme, é preciso muita atenção para seguir a linha de raciocínio sem ficar com um nó no cérebro. Confesso que o botão do pause foi clicado várias vezes para fazermos um resumo e garantir que não nos estávamos a perder na história. Se gostam de ser surpreendidos com twists, vão gostar de certeza.

 

Há alguns anos atrás, Stephen Hawking defendia a ideia de que as viagens no tempo não eram possíveis. "Se as viagens no tempo fossem possíveis, nós estariamos a ser visitados por turistas do futuro. Como não vemos por aí turistas do futuro, as viagens no tempo não são possíveis." No entanto, com os estudos realizados por cientistas nos últimos cinco anos, Stephen Hawking acredita que as viagens no tempo poderão vir a ser uma realidade. 

 

Por isso, se um dia alguém lhe bater à porta e lhe disser que é o seu tetra-neto, não lhe vire as costas. Ele pode estar certo. 

 

Boa sessão de cinema,

Mrs.

 

 

Fontes:

 http://www.imdb.com/title/tt2397535/

http://mkaku.org/home/articles/the-physics-of-time-travel/

Noite dos Óscares - Apostas

MELHOR FILME

Boyhood, de Richard Linklater

A Teoria de Tudo, de James Marsh

Grand Budapest Hotel, de Wes Anderson

Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), de Alejandro González Iñárritu

Sniper Americano, de Clint Eastwood

O Jogo da Imitação, de Morten Tyldum 

Selma, de Ava DuVernay

Nos Limites, de Damien Chazelle

O que nós queremos que ganhe: O Jogo da Imitação

Já tínhamos dado a nossa opinião aqui. É o filme mais completo que está nomeado: um filme brilhante, com uma realização fantástica, com uma história que toda a gente devia conhecer e aplaudir, e com uma representação fenomenal.

 

O que achamos que vai ganhar: Boyhood

Quase adormecemos a ver o filme. Um drama banal, sem argumento criativo, com um desenrolar aborrecido. Parece que estamos a ver uma telenovela. Não tirando o mérito de se tratar de um filme que demorou 12 anos a ser realizado, não achamos que seja critério suficiente para ganhar um óscar, mas está nos favoritos.

 

MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL

Birdman
Boyhood
Foxcatcher
The Grand Budapest Hotel 
Nightcrawler

 O que nós queremos que ganhe: Grand Budapest Hotel

Um argumento extramente original, bem desenvolvido, numa comédia muito divertida, e cheia de pormenores únicos.

 

O que achamos que vai ganhar: Birdman

Um argumento também muito criativo, se ganhar também ficamos contentes.

 

MELHOR REALIZADOR

Wes Anderson - Grand Budapest Hotel

Bennett Miller - Foxcatcher

Alejandro González Iñárritu - Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)

Richard Linklater - Boyhood

Morten Tyldum - O Jogo da Imitação

Quem nós queremos que ganhe: Alejandro González Iñárritu

Um dos nossos realizadores favoritos, que mais uma vez não desiludiu. A realização deste filme está fenomenal, a sequência de cenas e sons está fabulosa.

 

Quem achamos que vai ganhar: Alejandro González Iñárritu

 

MELHOR ACTOR

Eddie Redmayne – A Teoria de Tudo

Michael Keaton – Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)

Steve Carell - Foxcatcher

Benedict Cumberbatch - O Jogo da Imitação

Bradley Cooper - Sniper Americano

Quem queremos que ganhe: Eddie Redmayne – A Teoria de Tudo

Embora não tenhamos gostado do filme - um filme que se começa e se acaba de ver, e se fica a saber exactamente o que já se sabia quando se começou a ver - a representação de Redmayne está excepcional, impossível não visualizar exactamente Hawking quando olhamos para a representação do actor.

 

Quem achamos que vai ganhar: Eddie Redmayne – A Teoria de Tudo

 

 

 MELHOR ACTRIZ

Marion Cotillard - The Immigrant

Julianne Moore – O Meu Nome É Alice

Reese Witherspoon – Livre

Felicity Jones – A Teoria de Tudo

Rosamund Pike - Em Parte Incerta

Quem queremos que ganhe: Rosamund Pike - Em parte Incerta

Não queremos que este filme fantástico saia sem um óscar, por isso queríamos muito que Rosamund fosse presenteada pelo brilhante papel em Gone Girl, filme que achamos que também devia estar nomeado para melhor filme.

 

Quem achamos que vai ganhar: Julianne Moore – O Meu Nome É Alice

Ainda não tivemos oportunidade de ver este filme, mas acreditamos que Julianne mereça o Óscar, como excelente actriz que é, por isso ficamos contentes na mesma.

 

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO

Ethan Hawke – Boyhood

Edward Norton - Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)

Mark Ruffalo - Foxcatcher

J. K. Simmons – Nos Limites

Robert Duvall – O Juiz 

Quem queremos que ganheJ.K Simons - Whiplash

Mais do que merecido, já demos a nossa opinião aqui

 

Quem achamos que vai ganhar: J.K Simons - Whiplash

 

 

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA

Keira Knightley – O Jogo da Imitação

Emma Stone - Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)

Meryl Streep – Caminho da Floresta

Patricia Arquette – Boyhood

Laura Dern – Livre

Quem queremos que ganheKeira Knightley

Keira Knightley prova, mais uma vez, que é uma excelente actriz ao representar uma das figuras femininas mais inteligentes da História Mundial - Joan Clarke.

 

Quem achamos que vai ganhar: Meryl Streep

Favorita da Academia, achamos que vai ser premiada de novo, num dos filmes mais decepcionantes que já vimos.

 

E são estas as nossas escolhas!

Por fim, queremos manifestar a nossa revolta pelo Interstellar não estar nomeado para nenhuma destas categorias e ter sido nomeado apenas para categorias de som e efeitos especiais. É, não só, um dos melhores filmes de 2014, como é considerado pelo público o 21º melhor filme de todos os tempos - IMDB

E vocês, concordam com as nossas escolhas e com as nossas apostas?

 

Nós somos almas-gémeas no que diz respeita a cinema, temos exactamente a mesma opinião no que diz respeito a todos os filmes que visualizámos. Só por isso mereciamos o Óscar de Casal Sensação, não acham? :)

 

Boa sessão de óscares!

 

Mr. and Mrs.

Pão Recheado

Estamos a poucos momentos antes da noite dos Óscares e nada melhor do que preparar uma companhia gastronómica para acompanhar. Esta sugestão serve também de entrada para um almoço ou jantar, e faz sempre muito sucesso quando a faço para receber família e amigos cá em casa. Por isso, se querem fazer um brilharete e impressionar os vossos convidados, aqui vai o segredo para serem nomeados para o Óscar de melhor cozinheiro/a!

 

Ingredientes


- 1 pão alentejano
- 200g de friambre de peru
- cebolinho q.b.
- manjericão q.b.
- 2 chalottes
- 1 dente de alho
- 1 frasco grande de maionese light (ou maionese com iogurte)
- 200 gr de mozarella ralada
- 100 gr de queijo da ilha ralado
- pimenta preta q.b.
- papel alumínio

 
Passo a Passo


- Corta-se a tampa ao pão alentejano.
- Escava-se bem o pão retirando todo o miolo.
- Corta-se a tampa e o miolo em fatias toscas.
- Pica-se o alho bem fino, as chalottes e o cebolinho.
- Numa taça, colocam-se todos os ingredientes picados, o fiambre e a maionese. Mistura-se tudo, juntamos o queijo da ilha, a mozarella, voltamos a mexer com as folhas de manjericão cortadas.
- Tempera-se com pimenta preta.

- Recheia-se o pão com o preparado, envolve-se em papel alumínio e vai ao forno pré-aquecido a 180º, cerca de 25 minutos.

- Retira-se do alumínio e vai ao forno a gratinar com o resto do pão para torrar no forno também.

- Depois, é só comer! O recheio irá servir barrar os bocados de pão torrado e levá-los à boca!

DSC02094.JPG

DSC02098.JPGDSC02101.JPGDSC02097.JPG

DSC02100.JPG

DSC02102.JPG

 Que acharam?

Abriu-vos o apetite?

 

Bom apetite e boa sessão de Óscares!

 

Mr.

 

Receita e fotos da autoria do Uma Vida para Dois

Filmes - Whiplash

Resumo:

"Sob a direção do impiedoso professor Terence Fletcher, Andrew Neiman, um jovem e talentoso baterista, procura a perfeição a qualquer custo, mesmo que isso signifique perder a sua humanidade."

 

Whiplash-Movie-Images-540x360.jpg

 

 

Confesso que não sou fã daqueles filmes que giram em torno da relação profissional/pessoal entre Professor vs Aluno/ Treinador Vs Treinado. Parecem-me histórias sempre iguais, sem nada de novo a acrescentar. Por isso, quando Ele sugeriu vermos o Whiplash, pensei que fosse um simples filme sobre Jazz. 

 

Mas enganei-me. Ao contrário de tudo o que podia esperar, o argumento é muito original e está desenvolvido de uma forma brilhante. As sequências visuais e sonoras de algumas cenas desenvolvem-se a um ritmo alucinante, fazendo inveja a muitos filmes de acção. Quando aparentemente a linha sequencial do filme estabiliza e nos parece que as personagens encontraram um ponto de equilíbrio, temos o twist de que não estávamos à espera!

A relação sadomasoquista desenvolvida entre as duas personagens é aterradora, mostrando duas facetas: por um lado o que o ser-humano é capaz de arriscar e sacrificar para atingir os seus objectivos; e por outro o abuso de poder que o ser-humano é capaz de exercer perante outro que considera inferior.

A personagem de Terrence Flecher foi um mistério para mim durante o filme: quererá ele realmente estimular o melhor que há em cada aluno para encontrar o génio do Jazz ou simplesmente castigar aqueles cujo talento é superior ao dele? No final, (e que brilhante final!) julgo termos a resposta a esta pergunta.

A par da maravilhosa banda sonora, as interpretações dos protagonistas estão espantosas, fiquei surpreendida com a relevação de Miles Teller e não é à toa que J.K.Simmons está nomeado para (o merecido) Óscar de melhor actor secundário.  

 

 Já viram este filme? Qual a vossa opinião?

 

Boas sessões de cinema!

Mrs.